• Minhas compras
  • Entrar

Marx: uma introdução

Jorge Grespan

R$ 35,00 Livro indisponível

Marx: uma introdução
  • autor: Jorge Grespan
  • orelha: Ricardo Antunes
  • capa: Maikon Nery
edição:
coleção:
Série Pontos de partida
selo:
Boitempo
páginas:
104
formato:
21cm x 14cm x 1cm
peso:
156 gr
ano de publicação:
2021
encadernação:
brochura
ISBN:
9786557170694

Jorge Grespan é conhecido entre os estudiosos brasileiros de Marx por obras densas, com abordagens detalhadas e de imenso rigor. Neste livro, de caráter didático e introdutório, o autor não só expõe em prosa ágil o núcleo da crítica de Marx à sociedade capitalista, mas também enfatiza a atualidade de seus conceitos para a compreensão das transformações do capitalismo dominado pelas finanças e suas crises. 

O que distingue esta obra de outras introduções concisas é a reconstrução do encadeamento lógico dos conceitos utilizados por Marx, que reverbera décadas de estudo filológico realizado por Grespan, desta vez numa linguagem acessível ao público não especializado. Das oposições que permitem a análise da forma mercantil simples até o caráter contraditório do capitalismo enquanto sistema social, Marx: uma introdução abrange o essencial do pensamento desenvolvido pelo pensador alemão, ajudando tanto leitores novos quanto os experientes a compreender melhor sua potência científica e revolucionária.

Trecho

“O esforço de Marx em detectar as características profundas e os limites inerentes ao capitalismo sempre esteve ligado à luta para transformar radicalmente esse sistema. Na época em que era editor da Gazeta Renana e propunha o sufrágio universal como saída para derrotar a aristocracia prussiana, o episódio do ‘furto’ de lenha e o contato com o socialismo francês fizeram com que Marx localizasse a origem do conflito social num nível mais profundo do que o dos direitos políticos. Nessa época, justamente, escreveu: ‘Ser radical é agarrar as coisas pela raiz’ e descobriu que a raiz desse conflito é a propriedade privada dos meios de produção, da qual os trabalhadores são excluídos, tornando-se meros assalariados”.